A terceira Idade e a Depressão

A terceira Idade e a Depressão

O processo de envelhecimento nem sempre é tão idílico já que, por exemplo, os transtornos médicos crónicos, as doenças debilitantes, a perda de amigos e entes queridos e a incapacidade sentida para participar em atividades que antes se faziam normalmente e sem dificuldade, podem gerar uma carga de stress bastante complicada.

A terceira idade é entendida como uma fase de descanso, de reflexão e uma oportunidade única para fazer coisas e atividades que ficaram para trás e esquecidas enquanto se criavam os filhos e se investia numa carreira profissional. No entanto, o processo de envelhecimento nem sempre é tão idílico já que, por exemplo, os transtornos médicos crónicos, as doenças debilitantes, a perda de amigos e entes queridos e a incapacidade sentida para participar em atividades que antes se faziam normalmente e sem dificuldade, podem gerar uma carga de stress bastante complicada. A pessoa idosa pode, também, sentir uma forte perda de controlo sobre a sua vida devido a inúmeros problemas de saúde que acabam por surgir, tais como: perda auditiva e outras mudanças físicas, bem como as pressões externas como, por exemplo, recursos limitados. Assim, a pessoa idosa experimenta sentimentos de solidão, incompreensão, ansiedade e baixa autoestima que acabam por conduzir ao isolamento, apatia em geral.

A Depressão

Uma das consequências mais graves deste isolamento e no processo de envelhecimento é a depressão crónica que se torna recorrente. A depressão crónica tem consequências físicas e mentais que podem desencadear novas preocupações para além das já existentes.  Existem provas científicas que algumas das alterações corporais naturais associadas ao envelhecimento podem, de facto, aumentar o risco de que a pessoa idosa desenvolva uma depressão crónica. Estudos recentes sugerem que as baixas concentrações de folato no sangue e no sistema nervoso podem contribuir para a depressão, bem como para a deterioração mental e para a demência. Os investigadores também suspeitam que pode existir uma relação entre o surgimento de um estado depressivo e a doença de Alzheimer.

Para além de sentimentos como o desespero e o isolamento, o idoso com depressão pode alterar os seus hábitos alimentares tornando-se obesos e desenvolver ideias suicidas com alguma frequência. 

Um risco para a vida diária

Mas a depressão ou estados depressivos podem, também, assumir outras formas de efeitos potencialmente nocivos para a saúde das pessoas mais velhas. Podem ou tornar-se obesos quando alteram os seus hábitos alimentares ou sofrer daquilo a que se chama anorexia geriátrica.

Assim, as pessoas deprimidas na terceira idade experimentam índices mais altos de insónia e perda de memória. Os seus reflexos também diminuem drasticamente e aumenta o risco de cozinharem, conduzirem, automedicar-se e tantas outras tarefas que requerem uma atenção completa. 

O que se pode fazer?

Estes são alguns dos aspetos a ter em conta ao tratar a depressão de alguém na terceira idade:  seja consciente das limitações físicas da pessoa em questão; aconselhe o idoso a ir ao médico, a modificar a sua dieta e hábitos alimentares, seja diplomático e compreensivo com a pessoa com depressão. Faço, portanto, tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar e mostrar alternativas aos idosos deprimidos.