reduzir sal

OMS pede redução no consumo de sal

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de apenas 5 gramas de sal diários, apesar de metade da população consumir o dobro. Nesse seguimento, a OMS lançou uma iniciativa para reduzir o sódio nos alimentos globais, sobretudo os processados, que consiste na publicação de uma lista das quantidades de sódio recomendado em 18 tipos de alimentos (queijos, molhos, batatas fritas, entre outros).

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de apenas 5 gramas de sal diários, apesar de metade da população consumir o dobro. Nesse seguimento, a OMS lançou uma iniciativa para reduzir o sódio nos alimentos globais, sobretudo os processados, que consiste na publicação de uma lista das quantidades de sódio recomendado em 18 tipos de alimentos (queijos, molhos, batatas fritas, entre outros).

Um elevado consumo de sal aumenta o risco de doenças cardíacas que, anualmente, provocam a morte a 3 milhões de pessoas em todo o mundo. Por isso é importante consciencializar os responsáveis pela indústria de alimentos e bebidas que deve reduzir os seus níveis de sódio nos alimentos processados, servindo a nova lista de recomendações da OMS como um ponto de partida.

A lista, que também tenta harmonizar as práticas muito diversas que existem em diferentes países, indica, por exemplo, que as batatas fritas não devem ultrapassar 500 miligramas de sódio por 100 gramas, quantidade que cairia para 100 miligramas no caso dos cereais. Para as carnes enlatadas, propõe 225 miligramas por 100 gramas, 450 miligramas para pizzas, 600 miligramas para pretzels ou 400 miligramas para manteiga, entre outros exemplos.

Com a lista, a OMS procura aproximar-se das suas metas de redução do consumo global de sal e sódio em cerca de 30% até 2025. O Reino Unido já está a trabalhar nesta redução de sódio, com as autoridades a pedirem à indústria de alimentos uma reformulação voluntária dos seus produtos para reduzir o consumo de sal em 15% entre 2003 e 2011.