alergias idoso

Promover tolerância a alergias

O Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) lançou no dia 04 de maio, Dia Mundial da Asma, um projeto que visa promover a tolerância às alergias e alertar para a melhoria da qualidade do ar.

O Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) lançou no dia 04 de maio, Dia Mundial da Asma, um projeto que visa promover a tolerância às alergias e alertar para a melhoria da qualidade do ar.

O ISPUP explica que o projeto, intitulado AlergiaPT e anual, pretende “inspirar os portugueses com alergias a terem uma atitude mais positiva perante a vida, através de uma campanha alicerçada nas redes sociais”. O projeto foi um dos 20 vencedores do This is Public Health, um programa de financiamento criado pela Associação Internacional de Escolas de Saúde Pública que distingue iniciativas ligadas à divulgação e promoção da saúde pública.

Coordenado pelos investigadores Henrique Barros, também presidente do ISPUP, e André Moreira, o projeto irá “prevenir a exacerbação das alergias graves e alertar para a importância da melhoria da qualidade do ar”. André Moreira afirma que o objetivo do é reduzir, “a curto prazo, o impacto das doenças alérgicas”, promovendo tanto o diagnóstico como o tratamento precoce. “A alergia é a doença crónica mais frequente na Europa. Mais de 150 milhões de europeus sofrem de pelo menos uma doença alérgica e estima-se que em 2025 metade da população seja afetada”, refere o investigador, acrescentando que o AlergiaPT pretende também dar resposta ao crescente diagnóstico de doenças alérgicas. “A estratégia traçada pretende colocar a saúde acima da alergia e reduzir o impacto económico e social das doenças alérgicas, através de iniciativas concretas”, afirma o ISPUP.

Para alcançar esses objetivos, vai ser lançada uma estratégia de comunicação, através das redes sociais, com conteúdos direcionados para diferentes públicos-alvo, nomeadamente, “população geral, profissionais de saúde, farmacêuticos, escolas, sociedades científicas e associações de doentes”. Campanhas de sensibilização, ‘webinars’ dirigidos a profissionais de saúde, concursos e ‘lives’ nas redes sociais são alguns dos conteúdos que vão ser desenvolvidos no âmbito do projeto.