sexo idosos

Debate sobre o uso de tecnologia digital para a promoção da saúde sexual em adultos 55+

A saúde sexual é um aspeto fundamental para o bem-estar e qualidade de vida, tanto a nível individual como relacional, mas há vários fatores que podem constituir obstáculos e afetar essa plenitude. A idade e algumas doenças crónicas como acidentes cardiovasculares ou cancro, podem muitas vezes afetar a vida íntima e sexual das pessoas.

A saúde sexual é um aspeto fundamental para o bem-estar e qualidade de vida, tanto a nível individual como relacional, mas há vários fatores que podem constituir obstáculos e afetar essa plenitude. A idade e algumas doenças crónicas como acidentes cardiovasculares ou cancro, podem muitas vezes afetar a vida íntima e sexual das pessoas. Esta é a temática que vai servir de mote ao webinário que decorre no dia 19 de abril, às 13h, e que reúne especialistas internacionais. O evento é gratuito e aberto ao público, mas exige inscrição prévia.

Do programa fazem parte a investigadora do Fraunhofer Portugal AICOS, Ana Correia de Barros, o psicólogo Gerhard Andersson, a investigadora e designer Britta F. Schulte, a especialista em intimidade e sexualidade nos idosos, Noëlle Sant e a psicóloga e sexóloga do Centro Sexológico Borobil, Estela Buendía.

Este webinário assinala o arranque do Anathema, um projeto Europeu para promoção da saúde sexual, coordenado pelo centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS (FhP-AICOS) e que pretende desenvolver uma plataforma digital e uma aplicação móvel como forma de implementar programas de promoção da saúde sexual, segundo um plano delineado com psicólogos e terapeutas. O projecto Anathema foca-se no acompanhamento no âmbito da sexualidade em adultos acima dos 55 anos e com doenças crónicas. O objetivo do Anathema é adaptar as intervenções tradicionais de promoção da saúde sexual face a face, passando a recorrer a tecnologias digitais, incluindo dispositivos móveis, tornando-as apropriadas a adultos mais velhos, abrangendo também aqueles com doenças crónicas (e seus parceiros). O projeto arranca em abril de 2021 e terá a duração de 24 meses. Ao longo desse período prevê-se a implementação de estudos piloto – a desenvolver em Portugal, na Áustria e nos Países Baixos- que permitirão avaliar e medir a usabilidade e aceitação da tecnologia, a eficácia do programa na promoção da saúde sexual positiva, assim como testar modelos de negócio e analisar a viabilidade da transferência desta solução para o mercado.

O projeto será desenvolvido pelo FhP-AICOS em parceria com outras instituições internacionais, nomeadamente SexLab, Instahelp, SPRIGS e UnieKBO.