envelhecimento ativo Alzheimer

Estar alerta para os sintomas do Alzheimer

É muito importante haver uma conscientização do Alzheimer, forma mais comum de demência neurodegenerativa que é progressiva, irreversível, de causa desconhecida e com maior frequência entre os idosos. A doença instala-se quando começa a não existir o processamento de certas proteínas do sistema nervoso central.

É muito importante haver uma conscientização do Alzheimer, forma mais comum de demência neurodegenerativa que é progressiva, irreversível, de causa desconhecida e com maior frequência entre os idosos. A doença instala-se quando começa a não existir o processamento de certas proteínas do sistema nervoso central. A identificação precoce dos sinais, em estágios iniciais, é de suma importância de forma a tentar controlar os sintomas e adaptar e melhorar a capacidade funcional, com autonomia e independência.

Possíveis sintomas da doença de Alzheimer

Os primeiros sintomas da doença de Alzheimer são subtis, o que pode passar despercebido, como é o caso dos pequenos esquecimentos, que normalmente os familiares acham que faz parte do processo normal de envelhecimento. Mas nem todo o esquecimento é sinal de doença de Alzheimer, mas quando esses esquecimentos começam a ter uma frequência maior e repercutem no funcionamento das atividades quotidianas, é melhor consultar um médico especialista. Entre os principais sintomas temos:

Perda de memória;

– Falta de discernimento e incapacidade de tomar decisões;

– Incapacidade de gerir as suas finanças por esquecimento;

– Desorientação no tempo e no espaço;

– Dificuldade em realizar tarefas do quotidiano;

– Problemas de linguagem;

– Esquece-se do local onde guardou os objetos e não consegue fazer o processo retroativo para se lembrar;

– Alteração do comportamento.

Tratamento

O tratamento baseia-se em retardar o avanço da doença e prolongar a independência, a autonomia e a qualidade de vida para o paciente, o cuidador e seus familiares. Neste sentido, o acompanhamento por uma equipa interdisciplinar é essencial. Os doentes com Alzheimer são atendidos em quase todas as especialidades médicas, sobretudo as especialidades de geriatria, neurologia e a psiquiatria.