Idosos vítimas de violência aumentou em 2020

O número de pessoas idosas vítimas de violência aumentou mais de 20% em 2020 face a 2019, segundo as últimas estatísticas da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) que dá conta de 13 093 vítimas diretas, tendo estas sido alvo de mais de 19 000 crimes e outras formas de violência ao longo do último ano.

O número de pessoas idosas vítimas de violência aumentou mais de 20% em 2020 face a 2019, segundo as últimas estatísticas da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) que dá conta de 13 093 vítimas diretas, tendo estas sido alvo de mais de 19 000 crimes e outras formas de violência ao longo do último ano. Dessas vítimas, 12,4% são pessoas idosas, a maior percentagem de sempre desde a criação da associação em 1990.

Apesar de se registarem mais 12,1% de vítimas no geral do que em 2019, o aumento chega a 21,8% nas pessoas com mais de 65 anos, faixa etária em que se contabiliza 1624 vítimas. As estatísticas referentes a 2020 indicam ainda que 72% das vítimas idosas são mulheres com uma idade média de 76 anos, a maioria dos autores dos crimes são os filhos ou os cônjuges, a que correspondem a 33,8% e 22,7%, respetivamente. Do sexo masculino 15,3% das vítimas são pessoas idosas. Já os autores dos crimes com mais de 65 anos equivalem apenas a 4,8% do total. Dos 13 133 autores denunciados, 65% eram do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos.

Estes dados apresentam uma cobertura de 94% do território nacional, uma vez que dos 308 municípios existentes em Portugal, a APAV chegou a 290 através do apoio prestado às vítimas diretas. Na última newsletter do projeto “Violência contra as Mulheres e Violência Doméstica em Tempos de Pandemia” da APAV, a associação registava também que 11,8% dos pedidos de ajuda de violência contra as mulheres reportados durante o primeiro confinamento, entre 22 de março e 03 de maio de 2020, eram de violência contra as pessoas idosas.