Apoio domiciliário, IPSS, ATES, CNIS, instituicoes

Tratamento domiciliário, um aliado na recuperação dos idosos

O índice de crescimento mundial está a crescer todos os dias e com o envelhecimento do corpo humano vão aparecendo vários tipos de patologias, e algumas doenças são comuns na 3.ª idade como é o caso do Acidente Vascular Cerebral, Alzheimer, Parkinson, entre muitos outros.

O índice de crescimento mundial está a crescer todos os dias e com o envelhecimento do corpo humano vão aparecendo vários tipos de patologias, e algumas doenças são comuns na 3.ª idade como é o caso do Acidente Vascular Cerebral, Alzheimer, Parkinson, entre muitos outros. Muitas das doenças comuns na 3.ª idade fazem com que o idoso seja hospitalizado inicialmente, é entretanto diagnosticado e medicado, e depois entra num processo de trabalho e tratamento domiciliário (serviço de assistência médica domiciliária) caso assim o pretendam.

Este procedimento de tratamento domiciliário ajuda a diminuir o período de internamento e também dá suporte ao tratamento que é inicialmente feito no hospital. A verdade é que o tratamento domiciliário tem resultados muito positivos, uma vez que acelera a reabilitação do paciente e diminui em quase 100% o risco de infeção hospitalar. A fisioterapia tem aqui um papel muito importante porque permite que o paciente volte às suas atividades diárias e tenha uma maior independência como voltar a andar, tomar banho e alimentar-se de forma autónoma. Outra das vantagens do tratamento domiciliário é a economia porque o tratamento em casa é menos dispendioso para o erário público do que no hospital