idoso acamado

Medida de apoio ao reforço de emergência em lares prolongada até final do ano

A Medida de Apoio ao Reforço de Emergência em Equipamentos Sociais e de Saúde (MAREESS), que já permitiu a colocação de quase 18 mil pessoas, vai ser prolongada até ao final do ano.

A Medida de Apoio ao Reforço de Emergência em Equipamentos Sociais e de Saúde (MAREESS), que já permitiu a colocação de quase 18 mil pessoas, vai ser prolongada até ao final do ano. O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social explica que com a prorrogação da medida, no âmbito da pandemia, vai continuar a ser paga a bolsa mensal de 438,81 euros para desempregados que recebem prestações de desemprego, ou de 658,22 euros para os restantes, estando prevista uma majoração de 30% para profissionais mais qualificados. “As entidades que contratem sem termo os participantes colocados ao abrigo desta medida têm direito a um prémio-emprego”, refere o ministério, acrescentando que “o apoio a conceder equivale a duas retribuições base, até ao limite de 2.194 euros”.

Esta medida vai ser prolongada até 31 de dezembro e já permitiu, até março, a colocação de 17 500 pessoas em 1855 entidades, 63% das quais em projetos de apoio a idosos. Esta medida foi criada em abril de 2020, no âmbito da pandemia por covid-19, e permite a instituições como lares de idosos a integração de pessoas para desenvolvimento de trabalho socialmente útil, e já foram pagos 23 milhões de euros ao abrigo deste programa. Estão abrangidas pela MAREESS pessoas desempregadas, inscritas ou não no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), trabalhadores com contratos suspenso ou horário reduzido, trabalhadores independentes e também trabalhadores com contratos de trabalho a tempo parcial, desde que não tenham mais de 60 anos. São ainda abrangidos estudantes ou formandos, desde que com pelo menos 18 anos.