desnutrição

Alimentação e envelhecimento

Com o aumento no ritmo de envelhecimento da população é fundamental planear e desenvolver ações de saúde que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos idosos. Ter uma alimentação saudável faz parte de uma dessas medidas, devendo esta ser variada e naturalmente colorida.

Com o aumento no ritmo de envelhecimento da população é fundamental planear e desenvolver ações de saúde que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos idosos. Ter uma alimentação saudável faz parte de uma dessas medidas, devendo esta ser variada e naturalmente colorida.

Com o envelhecimento ocorrem algumas alterações no organismo que podem modificar as necessidades nutricionais, o que pode ser ainda mais acentuado pela presença de doenças, pelo uso de medicamentos ou por problemas sociais e psicológicos. O nosso metabolismo, ou seja, a capacidade de nosso organismo de produzir e utilizar as substâncias orgânicas, diminui com o passar dos anos e por isso necessita de uma menor quantidade de energia à medida que envelhece.

Com o avançar da idade, o nosso corpo muda, havendo uma diminuição da massa magra (músculos e ossos) e aumento da massa gorda (braços e pernas ficam mais finos e a cintura engrossa ou a barriga fica mais proeminente). O idoso deve consultar um nutricionista que lhe possa prescrever a dieta mais indicada, mas é muito importante que sejam tomadas algumas medidas no momento de preparação da refeição:

– Tornar o ambiente da cozinha e o local de refeições mais adequado e agradável para garantir um maior conforto, segurança e autonomia, tendo isto um impacto positivo na autoestima.

– Garantir a participação da pessoa idosa no planeamento da alimentação diária e na preparação das refeições permite um maior envolvimento com a alimentação.

– Se o idoso conseguir comer sozinho, isso deve ser estimulado, apenas o ajudando no que for necessário.

– Para estimular as sensações de gosto e cheiro, que com o avançar da idade ou com a doença podem estar diminuídos, é importante que as refeições sejam saborosas, de fácil digestão, bonitas e cheirosas.

– Se o idoso consegue mastigar e engolir alimentos em pedaços não há razão para modificar a consistência dos alimentos. No caso da ausência parcial ou total dos dentes, e uso de prótese, o cuidador deve oferecer carnes, legumes, verduras e frutas bem picadas, desfiadas, raladas, moídas ou batidas no liquidificado.