Osteoartrite, artrose, joelho, fisioterapia, glicocorticoide, osteoartrite

Osteoartrite do joelho: fisioterapia ou injeção de glicocorticoide

A fisioterapia e as injeções intra-articulares de glicocorticoides parecem ser estratégias úteis para o tratamento da dor associada ao quadro de artrose dos joelhos, especialmente neste perfil de paciente com exacerbação dos sintomas.

A artrose do joelho apresenta múltiplas opções de tratamento, apesar da combinação das estratégias ser a melhor opção terapêutica. O problema é que alguns pacientes podem inicialmente não tolerar algumas opções de tratamento, especialmente os que apresentam uma dor mais intensa. A fisioterapia e as injeções intra-articulares de glicocorticoides parecem ser estratégias úteis para o tratamento da dor associada ao quadro de artrose dos joelhos, especialmente neste perfil de paciente com exacerbação dos sintomas.

Recentemente um estudo publicado na revista científica The New England Journal of Medicine relata um ensaio clínico randomizado para comparar a fisioterapia com a injeção de glicocorticoides. Foram selecionados como participantes da pesquisa pacientes com osteoartrite em um ou ambos os joelhos. Os participantes foram designados aleatoriamente em uma proporção de 1:1 para receber uma injeção de glicocorticoide ou para fazer fisioterapia. Foi avaliado como desfecho primário a pontuação total no Índice de Osteoartrite das Universidades Western Ontario e McMaster (WOMAC) em 1 ano. O índice WOMAC foi desenvolvido para avaliar sintomas e capacidade funcional em pacientes com osteoartrite das extremidades inferiores. Essa escala é composta de 24 itens subdivididos em três subescalas: dor (cinco itens), rigidez (dois itens) e função (17 itens). Cada item é graduado numa escala de intensidade do sintoma (nenhum, leve, moderado, intenso ou extremo). As pontuações variam de 0 a 240, com pontuações mais altas indicando pior dor, função e rigidez.

Os resultados secundários foram o tempo necessário para concluir alguns testes funcionais. Foram utilizados os testes Alternate Step, Timed Up and Go e a pontuação na escala Global Rating of Change, todos avaliados em 1 ano. Foram incluídos 156 pacientes com idade média de 56 anos; 78 pacientes foram alocados em cada grupo. As caraterísticas basais, incluindo a intensidade da dor e o nível de incapacidade, foram semelhantes nos 2 grupos avaliados. A média (± DP) dos escores WOMAC basais foram 108,8 ± 47,1 no grupo de injeção de glicocorticoide e 107,1 ± 42,4 no grupo de fisioterapia. Esses dados mostram que os dois grupos eram semelhantes antes das intervenções a serem estudadas. Em 1 ano, os escores WOMAC médios foram de 55,8 ± 53,8 no grupo tratado com corticoide e 37,0 ± 30,7 no grupo tratado com fisioterapia (diferença média entre os grupos, 18,8 pontos; intervalo de confiança de 95%, 5,0 a 32,6), um achado favorável à fisioterapia. As mudanças nos desfechos secundários acompanharam os resultados do desfecho primário.