doenças neurodegenerativas

Estudo indica que sono profundo limpa “resíduos do cérebro”

Um estudo da Northwestern University, nos Estados Unidos, concluiu que o sono profundo tem a capacidade regeneradora de limpar “resíduos do cérebro”.

Um estudo da Northwestern University, nos Estados Unidos, concluiu que o sono profundo tem a capacidade regeneradora de limpar “resíduos do cérebro”, como a eliminação de proteínas tóxicas que podem levar a doenças neurodegenerativas.

Segundo o estudo publicado na revista “Science Advances”, a eliminação dos resíduos apresenta-se como “crucial para a saúde do cérebro”, prevenindo doenças neurodegenerativas, o que vem reafirmar a importância de “ter uma boa noite de sono”.

Este novo estudo recorreu a moscas da fruta que, de acordo com os investigadores, “têm neurónios que gerem os ciclos de vigília e do sono notavelmente semelhantes aos dos humanos, razão pela qual têm sido utilizados em investigações científicas sobre o sono, doenças neurodegenerativas e ritmos circadianos”.

Segundo o especialista, as conclusões deste estudo contribuem para a “compreensão do mistério sobre a necessidade dos organismos de dormir e sugerem que a “eliminação de resíduos” do cérebro constitui uma função central do sono profundo.