Hospital de Évora

Covid-19: Visitas ‘online’ no Hospital de Évora “aproximam” utentes e famílias

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) implementou um projeto de Visitas ‘Online’ para utentes internados, para “atenuar os efeitos negativos da distância” entre doentes e familiares, devido à pandemia de Covid-19.

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) anunciou ter implementado um projeto de Visitas ‘Online’ para utentes internados, para “atenuar os efeitos negativos da distância” entre doentes e familiares, devido à pandemia de Covid-19.

O HESE implementou um projeto de visitas ‘online’, com o objetivo de atenuar os efeitos negativos da distância entre os doentes e as suas famílias ou pessoas de referência”, revelou a unidade hospitalar, em comunicado enviado à agência Lusa.

O projeto é uma iniciativa do Gabinete de Comunicação e Marketing do HESE e começou por sete serviços de internamento, como enfermarias COVID, Neonatologia, Psiquiatria e Unidade de AVC, Obstetrícia e Unidade de Cuidados Intensivos COVID.

Neste momento, já está implementado em todos os internamentos”, destacou o HESE, explicando que o contacto é estabelecido com recurso a ‘tablets’.

No âmbito desta iniciativa, os profissionais do hospital “podem apoiar os utentes na comunicação com os seus familiares”, graças à realização de “chamadas que permitem a visualização ‘online’, na tentativa de minimizar o afastamento”.

Neste período de pandemia da Covid-19, as visitas e a presença de acompanhantes neste hospital alentejano “foram abruptamente reduzidas”, lembrou o HESE.

Este projeto permite atenuar os efeitos daquela medida de segurança, imprescindível neste momento, amenizando a estadia no hospital”, argumentou.

A diminuição “dos níveis de ansiedade, quer dos utentes, quer dos familiares, permitindo-lhes usufruir da presença virtual e da companhia uns dos outros”, é outro dos benefícios.

Os contactos virtuais são estabelecidos “em função do estado clínico do doente” e “da disponibilidade dos profissionais dos serviços”, além de ser agendado previamente com os familiares.

O projeto abrange, principalmente, os doentes que, por motivos clínicos, não possuam autonomia para contactar os seus familiares.