doença cardíaca

Nozes têm efeito anti-inflamatório que reduz risco de doença cardíaca

Estudo realizado com mais de 600 idosos saudáveis concluiu que os frutos podem prevenir inflamações crónicas, beneficiando a saúde do sistema cardiovascular.

O estudo Walnuts and Healthy Aging (WAHA), publicado no Journal of the American College of Cardiology no dia 10 de novembro, indica que pessoas de 60 a 70 anos que consomem nozes regularmente podem ter inflamações reduzidas, fator associado a um menor risco de doenças cardíacas, em comparação com aquelas que não comem nozes.

No estudo conduzido pelo Hospital Clínico de Barcelona, na Espanha, ​​em parceria com a Universidade Loma Linda, dos Estados Unidos, mais de 600 idosos saudáveis formaram dois grupos: os que ​​consumiram de 30g a 60g de nozes por dia como parte de sua dieta típica e os que seguiram sem nozes por dois anos.

Aqueles que consumiram nozes tiveram resultados anti-inflamatórios significativos na saúde: os marcadores inflamatórios no sangue foram reduzidos em até 11,5%, incluindo a interleucina-1β, uma citocina pró-inflamatória potente cuja inativação farmacológica foi fortemente associada a taxas reduzidas de doença cardíaca coronária.

“A inflamação de curto prazo nos ajuda a curar feridas e a combater infeções, mas a inflamação que persiste com o tempo (crónica)  — causada por fatores como dieta inadequada, obesidadestress e pressão alta — é prejudicial, principalmente no que diz respeito às doenças cardiovasculares“, afirma, em nota, Emilio Ros, principal investigador do estudo. 

A inflamação crónica é um fator crítico no desenvolvimento e progressão da aterosclerose, que é o acúmulo de placa ou “endurecimento” das artérias e as mudanças na dieta e no estilo de vida são fundamentais para mitigar esse processo.

Os pesquisadores vão pesquisar mais sobre os benefícios cardiovasculares das nozes. “As nozes têm uma mistura ideal de nutrientes essenciais, como o ácido alfa-linolênico ômega-3, ou ALA (2,5g/oz), e outros componentes altamente bioativos, como os polifenóis, que provavelmente desempenham um papel na ação anti-efeito inflamatório e outros benefícios para a saúde”, disse o autor.