Associação Portuguesa de Urologia

Incontinência urinária: Saiba porque afeta mais as mulheres

Definida pela Associação Portuguesa de Urologia como “uma situação patológica que resulta da incapacidade em armazenar e controlar a saída da urina”, a incontinência urinária afeta 1 em cada 5 portugueses com mais de 40 anos, sendo que apenas 10% recorre ao médico.

Definida pela Associação Portuguesa de Urologia como “uma situação patológica que resulta da incapacidade em armazenar e controlar a saída da urina”, a incontinência urinária afeta 1 em cada 5 portugueses com mais de 40 anos, sendo que apenas 10% recorre ao médico.

Fatores de risco

A probabilidade de ter problemas de incontinência urinária aumenta na sequência de vários fatores:

  • existir uma predisposição genética
  • envelhecimento
  • ser mulher (devido a gravidez, parto e menopausa)
  • ter excesso de peso
  • ser fumador
  • sofrer de obstipação
  • ter realizado cirurgias como a histerectomia.

Principais causas de incontinência urinária

Não sendo uma doença, mas sim um sintoma de doença, a incontinência urinária pode ser um problema temporário ou mais persistente.

Pode ainda resultar de maus hábitos de vida, problemas físicos ou na sequência da toma de alguns fármacos. Falemos das causas mais frequentes:

– Incontinência urinária temporária

  • maus hábitos alimentares (ingestão excessiva de adoçantes artificiais, chocolate, alimentos muito picantes, doces ou ácidos)
  • consumo exagerado de bebidas alcoólicas e cafeína
  • toma de fármacos como reguladores da pressão arterial, sedativos ou relaxantes musculares, pois estimulam a bexiga e o aumento do volume da urina.

– Incontinência urinária permanente:

  • mudança hormonal provocada pela gravidez
  • menopausa (por consequência da diminuição de estrogénios)
  • envelhecimento (torna os músculos pélvicos mais fracos)
  • parto
  • intervenção cirúrgica como a histerectomia
  • problemas neurológicos.

Quando ir ao médico?

Sempre que os episódios de incontinência urinária se prolonguem no tempo e afetem a qualidade de vida, criando estigmas sociais, consulte o seu médico. Além disso, a incontinência urinária pode ser um sintoma de outros problemas mais sérios de saúde.

Caso o médico entenda ser necessário a realização de um diagnóstico, o mesmo inclui, por norma, a realização de ecografias e/ou análises ao sangue e urina. Na sequência dos resultados pode ser recomendável uma consulta com um urologista ou uroginecologista. 

Prevenir a incontinência urinária

Ainda que nem sempre seja possível prevenir a incontinência urinária, existem algumas estratégias que diminuem o risco de incidência.

Assim, recomenda-se uma dieta equilibrada e saudável, evitando alimentos que promovem a irritação da bexiga, principalmente os mais ácidos.

Por outro lado, recomenda-se a ingestão de fibras que previnem a obstipação, uma das causas de incontinência urinária.

Em relação aos hábitos de vida, recomenda-se a moderação do consumo de cafeína e bebidas alcoólicas, sendo o tabagismo altamente prejudicial.

Alguns estudos referem ainda a importância da criação de uma rotina de realização regular de atividades física como os exercícios de Kegel que trabalham o pavimento pélvico.

Fonte: www.medis.pt/mais-medis/saude-e-medicina/incontinencia-urinaria-saiba-porque-afeta-mais-as-mulheres/