Cuidados Paliativos

Covid-19: Associação quer profissionais de cuidados paliativos nas equipas multidisciplinares

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos defende que os profissionais desta área devem estar mais presentes nas equipas que assistem doentes com Covid-19 e que o financiamento não pode focar-se apenas nos doentes agudos e nas urgências.

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos defende que os profissionais desta área devem estar mais presentes nas equipas que assistem doentes com Covid-19 e que o financiamento não pode focar-se apenas nos doentes agudos e nas urgências.

Se queremos uma resposta mais robusta, para a população em geral e para a que pode vir a ter infeção por Covid, temos de pensar nessa população em todas as fases do seu trajeto”, afirmou Duarte Soares, presidente da associação.

Em declarações à Lusa a propósito dos 25 anos da associação e do mês dos cuidados paliativos, que se assinala em outubro, o responsável criticou o facto de as “oportunidades de financiamento” omitirem por completo “qualquer outra entidade ou especialidade que não seja dirigida para os serviços de urgência”.

Temos bastante experiência a lidar com os nosso parceiros (…) e sabemos lidar com todos e perceber as medidas que podem ter resultado prático”, afirmou Duarte Soares, sublinhando que “os profissionais de cuidados paliativos têm ferramentas que devem ser valorizadas, seja na melhoria da qualidade de vida, seja no controlo sintomático ou no acompanhamento das famílias”.

E devem ser valorizadas no momento em que se fala em equipas multidisciplinares para a área covid, sobretudo nos lares de terceira idade e noutras estruturas de apoio a idosos, onde acredito que temos experiência suficiente a nível comunitário para poder ser parte integrante dessa equipa”, defendeu, dizendo-se surpreendido pelo facto de os cuidados paliativos “não estarem a ser chamados para essa missão”.

Duarte Soares lembrou que em junho/julho, numa audição no parlamento, o Governo foi instado a apresentar novos calendários com investimentos específicos para a área dos cuidados paliativos, mas até agora “não há qualquer resposta”.

Sobre o “BI dos cuidados paliativos” que o Governo anunciou criar até final do ano para permitir a monitorização das equipas a nível hospitalar e dos cuidados de saúde primários, Duarte Soares afirmou: “Não nos parece que voltar a identificar os problemas que já estão identificados, pelo menos há uma década, resulte”.

O responsável defendeu ainda que o importante, nesta fase, seria passar a mensagem construtiva dos doentes que passaram pelos cuidados paliativos, mas lamenta que essa mensagem não seja possível enquanto não forem resolvidos os problemas mais sérios em termos de acesso aos cuidados paliativos.

Para a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, o equilíbrio entre o esforço para controlar a transmissão do vírus e o esforço por manter cuidadas as pessoas em situação de doença crónica e com necessidades paliativas “tem-se apresentado como um desafio quase impossível”.

DOWNLOAD GRATUITO

Dignus4

(Irá receber um email com o link de download.)