gripe

Covid-19 e gripe: Fundação Portuguesa do Pulmão apela à vacinação e reforço das medidas de combate

A Fundação Portuguesa do Pulmão alerta para a necessidade de se reforçarem, a breve trecho, as medidas de combate à infeção pelo SARS-CoV-2 e pelo influenza.

A Fundação Portuguesa do Pulmão alerta para a necessidade de se reforçarem, a breve trecho, as medidas de combate à infeção pelo SARS-CoV-2 e pelo influenza, justificando que “não se apresenta consolidada, nem em Portugal, nem a nível mundial, a situação epidemiológica da pandemia de Covid-19, sendo expetável um aumento significativo do número de casos de infeção pelo SARS-CoV-2, na sequência da época fria que se aproxima e da nova fase da vida social, com o início da escolaridade e a abertura de outras atividades”.

Numa nota enviada ao Jornal Médico, a FPP lembra, ainda, que “avizinha-se a época gripal, com a circulação conjunta do coronavírus e dos vírus influenza”, o que, no entender da estrutura, é “motivo acrescido de preocupação, em virtude do desconhecimento que existe acerca das eventuais implicações desta situação invulgar”.

Assim sendo, a FPP aconselha que “se acentuem as medidas de combate a ambas a infeções e relativamente à gripe a vacina perfila-se como uma importante arma preventiva”.

À cabeça, na lista de recomendações da FPP, aparece a chamada de atenção “para a necessidade de se melhorarem as atitudes comportamentais preventivas comuns a ambas as infeções: etiqueta respiratória, desinfeção das mãos e das superfícies, distanciamento social e utilização de máscara em todos os espaços públicos, quer exteriores, quer interiores”.

Além disso, a FPP aconselha “veementemente todas as pessoas vulneráveis ou com indicação para a vacinação – de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS) – a vacinarem-se contra a gripe” e considera que “o número de vacinas previstas para o nosso país é insuficiente”: dois milhões de doses para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e 500 mil para a rede de farmácias. “Se contabilizarmos apenas as pessoas com idade superior a 65 anos – com indicação formal para serem vacinadas – o seu número é superior a 2,2 milhões. Restam ainda os numerosos grupos de pessoas vulneráveis ou com indicação para a vacinação”, pode ler-se no comunicado. Assim, a FPP aconselha as autoridades de Saúde a assegurar um número substancialmente mais elevado de vacinas.

DOWNLOAD GRATUITO

Dignus4

(Irá receber um email com o link de download.)