justiça

Segurança Social já recebeu 191 requerimentos para estatuto do cuidador informal

O estatuto do cuidador informal, aprovado em julho de 2019, previa que em 30 concelhos tivessem começado a 1 de abril projetos-piloto.

A Segurança Social já recebeu 191 requerimentos para reconhecimento do estatuto de cuidador informal e o Governo prepara alterações na lei laboral para acomodar especificidades dos cuidadores, admitindo ainda impactos na transposição de uma diretiva comunitária.

Partiu do deputado José Soeiro, do Bloco de Esquerda, a questão da adequação da legislação laboral ao que está previsto no estatuto do cuidador informal, tendo o secretário de Estado Adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, respondido que “a Direção-Geral de Emprego e das Relações de Trabalho está precisamente a proceder a essa identificação” de medidas laborais, “um processo que está praticamente concluído”.

Trata-se de uma identificação de medidas possíveis de mudanças nas leis laborais para acautelar algumas especificidades da situação dos cuidadores informais. Era, aliás, um processo que o Governo, antes de rebentar esta situação da pandemia, estava a discutir também noutra sede, no âmbito da concertação social, no âmbito da conciliação do trabalho e vida familiar, que entretanto ficaram entre parêntesis, mas que esperamos naturalmente depois retomar”, disse o secretário de Estado aos deputados da comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, que ontem, dia 8 de julho, ouviu em audição regimental a equipa governativa do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Reconhecendo que o estatuto do cuidador informal é uma das vias a ter em consideração nas alterações legislativas que se vieram a produzir, disse também que não será a única.

Dos projetos-piloto, previstos para 30 concelhos do país, de acordo com o estipulado no estatuto do cuidador informal, o executivo pretende retirar informação concreta sobre necessidades que emerjam da experiência no terreno.

E há ainda “uma questão que transcende em muito a questão do diploma dos cuidadores informais”: a diretiva comunitária relativa à conciliação da vida familiar e profissional, cuja transposição terá “implicações para a questão do cuidador informal”, disse Miguel Cabrita.

O Governo anunciou na passada semana o alargamento do prazo para aceder ao subsídio previsto no estatuto para os cuidadores informais abrangidos pelos projetos-piloto, que agora decorre até final de julho, sendo pago com retroativos a 1 de abril, data em que os projetos-piloto deviam ter arrancado, se a elegibilidade da candidatura se verificasse nessa data.

DOWNLOAD GRATUITO

Dignus4

(Irá receber um email com o link de download.)