Envelhecimento, Como?

Crónica de Rosário Pimentel

Crónica de Rosário Pimentel, in www.penacovactual.pt/2020/06/cronica-envelhecimento-como.html

Seja qual for o mecanismo e o tempo do envelhecimento celular e embora haja correlação entre o número possível de duplicações das células e a longevidade máxima da espécie a que pertencem, o envelhecimento não atinge simultaneamente todas as células e consequentemente todos os tecidos, órgãos e sistemas. A claudicação funcional resultante da diminuição orgânica é igualmente assíncrona: mínima para a homeostase glicémica, a falência atinge o seu máximo no respeitante à capacidade respiratória que assim constituiria a determinante fisiológica da longevidade máxima.

Tendo cada sistema o seu tempo de envelhecimento, mesmo sem a interferência dos fatores ambientais, tal facto tem implicações que se tornam mais visíveis quando o organismo é agredido pela doença. A diminuição da função renal – de cerca de 50% aos 80 anos, condiciona fortemente a farmacoterapia do idoso; as alterações orgânicas a nível das mucosas digestivas são determinante frequentes de problemas nutricionais; as alterações da arquitetura do osso e a dismetabolia cálcica propiciam fraturas frequentes; a diminuição da água intracelular – perda de 10 a 15% aos oitenta anos, torna o idoso extremamente sensível aos desequilíbrios hidro-eletrolíticos, o que é agravado pela diminuição da sensação de sede; o aumento da massa gorda favorece a obesidade com todo o seu conjunto de consequências.

Para além de todas as diminuições orgânicas e funcionais, que originam significativas alterações na forma e na composição corporal com o passar dos anos, talvez as condições mais relevantes a ter em consideração para a sobrevivência do idoso e para a sua qualidade de vida sejam no entanto, a diminuição da sua reserva fisiológica e a consequente dificuldade na reposição do seu equilíbrio homeostático quando alterado. Não ter estas duas alterações sempre presentes no lidar diário com os mais velhos, pode ser a diferença entre a vida e a morte.

As considerações feitas até aqui, referentes às modificações físicas determinadas pelo envelhecimento, são igualmente aplicáveis ao envelhecimento mental.

As alterações orgânicas verificadas no sistema nervoso, fundamentalmente o envelhecimento e a perda dos neurónios substituídos por tecido glial, a diminuição do débito sanguíneo com a consequente diminuição da extracção da glicose e do transporte do oxigénio e a diminuição de neuromediadores, condicionam a lentificação dos processos mentais e as alterações da memória, da atenção e concentração, da inteligência e do pensamento. As diminuições referidas não comprometem significativamente o desempenho do idoso, em condições normais. Mantém-se as capacidades verbais e de cálculo e aritmética, a orientação, a memória remota, a inteligência cristalizada, as emoções, a personalidade.

O idoso supera a diminuição mental como a física, se elas não forem agravadas pela doença ou pelas agressões ambientais e sociais. A atividade intelectual e o exercício físico, o controlo da doença, a vida social e familiar favoráveis, permitem ao idoso ultrapassar as dificuldades de um envelhecimento normal e manter a autonomia e a qualidade de vida.

Num percurso de vida que teoricamente se estende até aos 120 anos, o homem cresce, amadurece e envelhece.

Processo contínuo e irreversível, o envelhecimento normal traz consigo a diminuição física, mental e social consequente das alterações estruturais e funcionais que experimenta no corpo e na mente. E que não podendo ser evitadas podem ser minimizadas e proteladas.

Porventura inscrito no genoma, o tempo de vida que é dado ao homem viver terá a marca que cada um quiser ou puder imprimir.

Aceitar o envelhecimento, assumi-lo nas suas grandezas e misérias, viver com ele, é provavelmente a maior tarefa que o homem enfrenta.

E nesta aceitação do envelhecimento, cada um de nós deverá ter sempre presente o que são os grandes problemas do idoso e quais os objetivos dos cuidados aos idosos.

No respeitante aos grandes problemas do idoso, temos a solidão (perda de contactos sociais e familiares), a carência de recursos (sócio-económicos); as doenças (crónica, acidente, demência) e a perda da autonomia (incapacidade e dependência). E no que concerne aos objetivos dos cuidados aos idosos, temos a mobilização de todos os recursos possíveis para manter na família e na comunidade, com autonomia e qualidade de vida, o maior número de idosos; valorização de todas as capacidades do idoso no sentido de superar os défices existentes;  avaliação dos problemas e necessidades do idoso com vista a uma assistência integrada e compreensiva; assistência continuada, no domicílio ou instituição aos idosos inválidos ou com doença crónica; ensino e formação contínua aos idosos, familiares e profissionais e promoção da investigação biológica, clínica e social na área do envelhecimento.

E porque se envelhece cada vez mais tarde e considerando que um grande número de idosos conserva durante muitos anos razoável estado de saúde e vitalidade, é crucial encarar o envelhecimento como um processo natural que deve ser vivido com tranquilidade e de forma bem-sucedida. E por hoje é tudo, termino esta crónica com um poema de Saúl Dias,“Nunca Envelhecerás”.

Nunca Envelhecerás

A tua cabeleira

é já grisalha ou mesmo branca?

Para mim é toda loira

e circundada de estrelas.

Sobre ela

o tempo não poisou

o inverno dos anos

que se escoam maldosos

insinuando rugas, fios brancos…

Ao teu corpo colou-se

o vestido de seda,

como segunda pele;

entre os seios pequenos

viceja perene

um raminho de cravos…

Pétalas esguias

emolduram-te os dedos…

E revoadas de aves

traçam ao teu redor

volutas de primavera.

Nunca envelhecerás na minha lembrança!…

Assinatura Dignus

DOWNLOAD GRATUITO

(Irá receber um email com o link de download.)