cuidar

A arte de cuidar do idoso

Um artigo de Filipa Alves, coordenadora técnica das Unidades de CC e ERPI da Ordem da Trindade

O aumento da esperança média de vida e a consequente tendência de envelhecimento demográfico traz-nos responsabilidades acrescidas naquelas que devem ser as respostas sociais e cuidados de saúde para com as pessoas nesta fase da vida. Apesar de se traduzir na alteração progressiva das capacidades de adaptação do corpo nos seus vários sistemas, é importante que consideremos a premissa de que envelhecer, apesar de ser um processo complexo existencial, inevitável e irreversível, por si só não é significado de adoecer.

Cada pessoa idosa tem dentro de si, uma vida inteira de experiência enriquecedora, e uma dimensão naturalmente resiliente que merece ser cultivada. É, assim, crucial equacionar variáveis de natureza diversa, no que respeita ao tipo de apoio necessário a cada individuo reconhecendo as necessidades com base no estilo de vida que cada um escolheu para si.

Equacionando ainda o contexto de pandemia que vivemos, é importante perceber que existem grupos de pessoas que necessitam de um tipo de cuidados diferenciado e que os mais idosos são um grupo mais vulnerável, não só aos efeitos devastadores da doença, mas também a inúmeros outros riscos.

Por isto, para que o modelo de cuidados resulte e seja adequado à população em causa, deve ser considerada a sua qualidade, com base num conjunto de indicadores sensíveis aos cuidados prestados nestas instituições. Trata-se, assim, de indicadores mensuráveis que cada instituição deve definir, em função das características dos seus utentes/residentes: o número de casos de acesso aos serviços de urgência, o número de quedas, a funcionalidade e atividades de vida diárias e o uso controlado de fármacos, são alguns indicadores de qualidade e bons exemplos mensuráveis.

Estes indicadores, assentam numa Política de Qualidade que permite melhorar o desempenho clínico e organizacional, que reforça a segurança dos doentes/utentes, monitoriza e reconhece a qualidade, informa e acima de tudo, capacita o cidadão na hora de fazer escolhas para uma etapa fundamental na sua vida.

É por existirem estes indicadores que várias instituições têm conseguido lidar com a pandemia de coronavírus da melhor maneira. Apesar de existirem casos em estabelecimentos como lares de terceira idade ou casas de repouso, é verificável que aqueles que atempadamente implementaram uma estratégia assente em parâmetros pré-definidos tiveram maior sucesso prevenir uma situação inesperada.

Assim, para o futuro, focando as várias dimensões da pessoa idosa e considerando cada uma como de extrema importância, é necessário construir planos que tenham em conta o físico e o psicológico e que prevejam situações extraordinárias. A rotina e controlo de qualidade o mais completo possível poderão ser chave neste seguimento.

Por todos estes aspetos é importante relembrar que prestar cuidados ao outro é trabalho que contribui para a felicidade do outro, para o seu bem-estar, que permite um apoio constante e transmite segurança a quem cuidamos. A arte de cuidar traduz-se na qualidade dos cuidados prestados. É gratificante trabalhar o lado humano, por muitas vezes esquecido, não só nos cuidados de saúde, mas na vida em geral.

Fonte: www.newsfarma.pt/artigos/9238-a-arte-de-cuidar-do-idoso.html

campanha

DOWNLOAD GRATUITO

Dignus1

(Irá receber um email com o link de download.)