Mulheres vivem mais do que os homens, mas com mais doenças

As mulheres que nascem hoje têm todas as probabilidades de alcançar os 84,6 anos, a esperança média de vida…

As mulheres que nascem hoje têm todas as probabilidades de alcançar os 84,6 anos, a esperança média de vida à nascença em Portugal para o sexo feminino. Estamos ao nível dos países do Norte da Europa, como a Suécia. Só que neste país as mulheres conseguem atingir quase os 81 anos com uma vida saudável, quando em Portugal não chegam aos 72.

São dados da Pordata, informação divulgada neste domingo para assinalar o Dia Internacional da Mulher, comparando a situação das mulheres e dos homens no panorama europeu. Relativamente à saúde, as estatísticas demonstram que o povo tem toda a razão no ditado popular “Mulher doente, mulher para sempre“.

As idosas portuguesas (mais de 65 anos) têm pela frente 15,4 anos com doenças, enquanto as suecas têm uma velhice com melhor qualidade de vida, apenas 5,7 anos em média com problemas de saúde. O que significa que as posições dos dois países se alteram no que diz respeito aos anos de vida saudável. A Suécia regista uma maior percentagem, 15,8 anos, ao contrário de Portugal, apenas 6,7.

Os homens portugueses têm ligeiramente menos problemas, espera-os 7,9 anos de vida saudável (15,4 na Suécia) e 10,4 anos com doenças (3,8 na Suécia).

A esperança de vida mais longa das portuguesas faz que estejam em maioria na população portuguesa em geral, mas não significa que nasçam menos meninos do que meninas, como tantas vezes se ouve dizer. Em 2018, nasceram mais meninos, 44 309 contra 42 711 meninas.

Por cada 100 raparigas nascem 104 rapazes. Contudo, há mais mulheres que homens a partir do grupo etário dos 25 aos 29 anos. No total, por cada 100 mulheres existem 90 homens“, sublinha a Pordata.

Em todos os países da União Europeia, as mulheres estão em maioria na população, com exceção do Luxemburgo, de Malta e da Suécia.

campanha

DOWNLOAD GRATUITO

Dignus1

(Irá receber um email com o link de download.)