Comprimido diário previne problemas cardíacos

Uma equipa de investigadores, do Irão e Reino Unido, defendem que este fármaco tem um impacto significativo…

Uma equipa de investigadores, do Irão e Reino Unido, defendem que este fármaco tem um impacto significativo cardiovascular, e tem um baixo custo. Por isso sugerem que seja distribuído de forma gratuita à população mais vulnerável nos países mais pobres, onde os profissionais de saúde têm poucas opções de tratamento e poucos recursos para avaliar os indivíduos.

A doença coronária e o AVC são duas das doenças mais mortais, causando cerca de 15 milhões de mortes por ano. O tabagismo, a obesidade e o sedentarismo são alguns dos fatores que aumentam o risco de vir a sofrer de um ou mais episódios cardiovasculares.

A investigação, publicada na revista científica Lancet, teve como objeto de estudo cerca de 7000 pessoas de 100 cidades iranianas. A metade da amostra foi-lhes dado este fármaco e foi-lhes explicado quais as mudanças que teriam de fazer na sua vida, enquanto a outra metade foi “apenas” aconselhada a alterar os hábitos de vida. O medicamento, que contém aspirina, estatina redutora de colesterol e outros dois compostos ativos que fazem baixar a pressão arterial, foi administrado a pessoas com mais de 50 anos, independentemente de terem ou não historial de problemas cardíacos.

Cinco anos depois concluíram que das 3421 pessoas que tomaram o medicamento apenas 202 tiveram eventos cardiovasculares, menos 99 de que aqueles que apenas mudaram o seu estilo de vida. Com estes resultados, os investigadores comprovaram que com o fármaco o risco de sofrer eventos cardiovasculares diminuía em 1 a cada 35 pessoas. O estudo concluiu ainda que o fármaco tem outras valências positivas na saúde dos indivíduos, como a redução do HDL.