Falta de sono afeta memória em idade avançada

Um estudo elaborado por investigadores da Escola de Psicologia Georgia Tech confirmou que a falta de sono afeta a memória dos idosos

Um estudo elaborado por investigadores da Escola de Psicologia Georgia Tech nos Estados Unidos da América confirmou que a falta de sono afeta a memória dos idosos. Publicado na revista “Frontiers in Human Neuroscience”, este estudo foi levado a cabo através da análise da deterioração cognitiva leve de 81 pessoas entre os 18 e 37 anos de idade, e entre 56 e 76 anos de idade.

As medições efetuadas aos participantes do estudo foram feitas em casa, por forma a recolher um resultado mais fidedigno com as condições do quotidiano. Acredita-se que seja o primeiro estudo sobre a relação entre o sono e a memória com diferenças raciais e de idade.

O principal fator que se correlacionou com a má qualidade do sono em participantes negros foi o stress relacionado com raça. O estudo descobriu que adultos negros dormiam por 36 minutos menos que adultos de outras raças, o que se traduziu numa diminuição de 12% na atividade cerebral relacionada à memória. O estudo também encontrou variação significativa entre os sujeitos em cada faixa etária, apesar de se terem encontrado semelhança entre indivíduos com 20 e 70 anos.

A principal mensagem deste estudo é que o sono regular é importante em qualquer idade para o melhor desempenho cognitivo.

Pode encontrar o artigo na íntegra neste link: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fnhum.2019.00176/full