Mexa-se pela sua saúde, dita novo estudo

Numa pesquisa realizada na Universidade de Jyväskylä, na Finlândia, foram monitorizados…

Numa pesquisa realizada na Universidade de Jyväskylä, na Finlândia, foram monitorizados os movimentos de 779 gémeos, entre 71 e 75 anos, dentro de casa. O estudo mostrou que as doenças crónicas – artrite reumatoide, osteoartrite, diabetes, doença coronária, por exemplo – afetavam significativamente a mobilidade dos idosos, sem que eles se apercebam. Os indivíduos saudáveis dão, em média, 7 mil passos por dia (cerca de 4,5 km), mas os que são portadores de pelo menos três enfermidades davam menos de 4 mil passos.

Os investigadores, que acompanham este grupo desde 1975, concluíram que o volume de atividade física na juventude não tinha influência nos resultados: a grande diferença na capacidade de locomoção era entre quem estava mais ou menos saudável. Para o Professor Urho Kujala, coordenador do estudo, o resultado indica a importância de exercícios personalizados para manter a independência dos pacientes. Exercitar-se é o segredo para uma coluna saudável, comprovado por todas as pesquisas científicas, como a realizada pela Faculdade de Medicina da Northwestern University em Chicago, que mostra que uma hora de caminhada vigorosa por semana ajuda a prevenir problemas de mobilidade em idosos com osteoartrite.

“São menos de dez minutos por dia para o paciente manter a sua independência”, segundo a Professora Dorothy Dunlop, “ao atingir esse patamar, o indivíduo pode-se motivar a adotar um estilo de vida que inclua atividade física, o que certamente trará inúmeros benefícios para sua saúde.” O ritmo dessa caminhada seria o equivalente a andar como se a pessoa estivesse atrasada para chegar a um compromisso. Os benefícios passam pela habilidade de realizar tarefas como vestir-se ou ser capaz de atravessar a rua durante o tempo do sinal verde. Depois que a doença se instalar, como mostrou a primeira pesquisa, a tendência é restringir a locomoção, num círculo vicioso que leva a problemas ainda mais graves.